Comentários Sobre os Temas “Em Adão/Em Cristo”

Um estudo breve, mas cuidadoso da maneira como o conceito de estar em Adão e em Cristo é usado na Bíblia, e como ele pode ser compreendido harmoniosamente com os outros ensinamentos das Escrituras.


“Em Adão”

 

Um estudo da maneira como a Comissão de Estudo de 1888 compreendeu a frase “em Adão” revela que seu significado está longe de ser claro. Eles parecem acreditar que o significado da frase é tão óbvio que é absolutamente fácil de entender. Na teologia Cristã, a relação entre o pecado de Adão e a condição pecaminosa de seus descendentes tem sido explicada de várias maneiras diferentes. Uma delas tem sido através do uso da frase “em Adão.” Esta é a maneira que Agostinho a entendia. Todos os descendentes de Adão estavam nele e quando ele pecou, eles também pecaram com Adão. O pecado de Adão foi de uma forma realista o próprio pecado deles. Às vezes essa parece ser a maneira como a Comissão de Estudo de 1888 compreende a frase.

O primeiro argumento usado para apoiar esse ponto de vista é encontrado em Gênesis 2:7. Lemos nesta passagem que Deus “soprou em suas [de Adão] narinas o fôlego de vida.” O termo Hebraico traduzido como “vida” é chay, mas é usado aqui no plural, o chayyayim, “vidas.” A partir desse fato, conclui-se que, quando Deus criou Adão, Ele colocou nele as vidas de todos os seus descendentes. Eles estavam de alguma forma literal ou real em Adão. O problema com este argumento em particular é que a palavra hebraica chay, “vida,” é praticamente sempre usada na Bíblia Hebraica no plural no sentido de “vida,” não “vidas.” Em outras palavras, mesmo que o substantivo seja plural na forma é singular no sentido. Ele simplesmente significa “vida,” “vitalício,” “tempo.” Deixe-me dar-lhe alguns exemplos. Em Hebraico o nome da árvore que estava no meio do jardim era a “árvore de vidas” (Gn 2:9). Isso não significa que nela havia outras árvores, mas simplesmente que era uma árvore que poderia preservar a vida. Também lemos sobre os dias de “vidas da serpente” (3:14). Isso significa que esta serpente estava infusa com a vida de todas as outras serpentes? É claro que não. A “vida” de Jacó foi de 147 anos (47:28). A palavra significa simplesmente “vida, tempo de vida;” ela é um substantivo plural invariável. A razão pela qual o Hebraico usa o plural “vidas” quando se refere à “vida” provavelmente seja porque ela é um substantivo abstrato e existe uma tendência na língua Hebraica de empregar a forma plural para substantivos abstratos. Esse tipo de substantivo não designa um objeto concreto que se pode pegar com a mão, mas uma realidade que se manifesta em uma diversidade de maneiras (crianças, adultos, animais, aves).[1] Encontramos o mesmo no caso da palavra Hebraica para conhecimento que é muitas vezes plural, mesmo que no uso seja singular (decah, cante.; decoth, pl., 1 Sm 2:3; Jó 36:4). Portanto, o uso do plural em Gênesis 2:7 não carrega nenhum peso teológico; ele é simplesmente uma característica da língua original.

O segundo argumento usado para mostrar que cada ser humano estava “em Adão,” quando ele pecou é tirado de Hebreus 7:9, 10: “Pode-se até dizer que Levi, que recebe os dízimos, entregou-os por meio de Abraão, pois quando Melquizedeque se encontrou com Abraão, Levi ainda não havia sido gerado.” O argumento é que, quando Abraão deu o dízimo a Melquizedeque, Levi também lhe dava dízimos porque ele já estava presente em Abraão. É claro que este argumento prova muito. Significaria que “todas as ações de todos os progenitores teriam que ser atribuídas a cada um dos seus descendentes, o que é quase absurdo.”[2] É isso que Paulo está dizendo?

Se examinássemos o texto atentamente, perceberíamos que Paulo não está dizendo o que alguns acreditam que ele está ensinando. Observe como o texto começa: “Pode-se até dizer.” A frase Grega hos epos eipein, significa “pode-se quase dizer” e era usada na literatura Grega para qualificar uma expressão muito absoluta, para tirar a ênfase o que estava sendo dito. Paulo está reconhecendo que quando Abraão deu o dízimo Levi não estava realmente dando o dízimo, mas ele usa o incidente para ilustrar um ponto teológico. A solidariedade entre pai e filho era tão forte no pensando Hebraico que Paulo o usa em seu argumento. Se Melquizedeque é superior a Abraão, o pai de Levi, então ele também é superior a Levi, que era um descendente de Abraão, e ainda não tinha nascido. A frase “estar em/sair dos lombos de Abraão” significa simplesmente “ser o filho de” ou “ter Abraão como um ancestral,” como mostrado em 7:5, onde se diz a respeito do restante dos Israelitas, os irmãos de Levi, que eles “saíram dos lombos de Abraão.” Abraão representava seus descendentes e o que ele fazia tinha um impacto na compreensão teológica da relação entre o sacerdócio Levítico e o sacerdócio de Melquizedeque. É impróprio tentar tirar da passagem mais do que ela diz. Paulo está muito consciente do fato que isto é uma ilustração, daí a sua hesitação expressa na frase “por assim dizer.” “A hesitação pode ser devido, em parte pelo menos, ao fato que, por lógica análoga, Jesus poderia ser dito ter pago um dízimo a Melquizedeque.”[3] É verdade que Jesus era divino, mas como um ser humano, Ele também era um descendente de Davi e, no final das contas, de Abraão (Rm 9:5).

A ideia de que todo ser humano estava em Adão quando ele pecou é confusa e pode levar a sérios problemas teológicos. Em que sentido todos estavam em Adão? Obviamente não em um sentido físico porque Adão era um único corpo. Uma vez que excluímos essa possibilidade não existem muitas outras opções restantes. A nossa presença em Adão tem, então, de ser definida pela Comissão de Estudo de 1888 como transfísica? Mas em que sentido ela era transfísica? Eles não fornecem uma resposta para essa questão.

A visão realística da frase “em Adão” cria um sério problema teológico para aqueles que levam a sério a antropologia bíblica. De acordo com a Bíblia, cada pessoa é uma unidade de vida autoconsciente e indivisível. A concretude e individualidade de um ser humano torna impossível para ele ou ela existir ou estar presente em qualquer forma ou modo em outro ser humano. A antropologia bíblica torna impossível para as pessoas fundirem suas personalidades de forma mística uma com a outra. Não existe nada em uma pessoa, dentro do corpo, que preexistiu a existência corpórea desse indivíduo em particular. Argumentar que eu estava em Adão antes de vir à existência na minha presente forma corporal é implicar que eu, ou algo de mim, existia em Adão independente do meu corpo e da minha existência presente. Isto, em princípio, é o dualismo antropológico Grego. A pré-existência da alma é uma ideia pagã e não bíblica. A Comissão de Estudo de 1888 não indicou claramente o que eles queriam dizer por sua compreensão realística da frase “em Adam.”

Se o que eles querem dizer é que a “semente” de nossas vidas estava em Adão, isto é, que somos seus descendentes, então, eles estão mais perto da verdade. Mas o problema é que não é isso que eles querem dizer. A ideia da “semente” não é boa o suficiente para eles, porque para eles a frase “em Adão” significa que, quando ele pecou, pecamos nele e que seu pecado é o meu pecado. Sou responsável pelo pecado de Adão porque era meu pecado. A questão fundamental é a de uma responsabilidade individual. Apenas indivíduos que realmente existem são responsáveis por seus próprios pecados e, em alguns casos, pelos pecados dos outros. Uma semente não é um agente moralmente responsável; nem mesmo a “semente” de um ser humano. Parece-me que o significado da frase “em Adão” no pensamento dos membros da Comissão de Estudo de 1888 permanece enganosa.

Para complicar ainda mais as coisas, a Comissão de Estudo de 1888 usa, juntamente com a visão anterior, outra diferente na tentativa de explicar a conexão entre o pecado de Adão e o pecado da humanidade. Esta segunda abordagem, que não é unicamente deles, mas um pouco comum na história da teologia, é chamada de imputação do pecado de Adão. De acordo com esta visão, foi Adão quem pecou, mas por causa da solidariedade entre Adão e seus descendentes, seu pecado foi imputado a todos eles. Porque seu pecado foi imputado a todos nós herdamos a corrupção. Antes que alguém seja concebido a transgressão de Adão é debitada a ele ou ela e a pessoa é condenada e sentenciada à morte. Isto é diferente do entendimento realista de nossa presença em Adão. No entanto, a Comissão de Estudo de 1888 usa tanto entendimentos quanto pontos de vista para explicar nossa conexão com o pecado de Adão. Eles não parecem estar cientes do fato que os dois pontos de vista são mutuamente exclusivos. Se estivéssemos em Adão quando ele pecou, seu pecado é nosso pecado, nós pecamos nele. Portanto, não há necessidade de imputá-lo a nós, porque ele é realmente o nosso pecado. Eles têm que decidir qual teoria vão propagar. A teoria da imputação é estranha à Bíblia. Romanos 5:12-21 não ensina que o pecado de Adão foi imputado a nós. Pelo contrário, a passagem torna Adão responsável por seu próprio pecado; seus descendentes recebem o resultado fatal de sua transgressão. Paulo argumenta dessa maneira por causa do ensinamento bíblico da solidariedade humana, e não com base na imputação. Os descendentes de Adão não pecaram à semelhança do seu pecado.

 

“Em Cristo”

 

Quanto ao uso da frase “em Cristo,” sua compreensão é determinada por aqueles que promovem os pontos de vista da Comissão de Estudo de 1888 em termos do significado da frase “em Adão.” Cristo é o segundo Adão e, consequentemente, o pecado de Adão é desfeito pelo novo Adão. Desde que toda a raça humana estava em Adão, quando ele pecou, agora toda a raça humana estava em Cristo quando Ele morreu na Cruz. Em Adão todos fomos feitos pecadores; em Cristo todos nós, a totalidade da raça humana, fomos legalmente salvos e justificados. Há vários problemas com esse modo de ponto de vista.

Em primeiro lugar, tal compreensão da frase “em Cristo” não é bíblica. Esta frase é usada muitas vezes no Novo Testamento e sempre se refere à forte união que existe entre os crentes e Cristo. Ela nunca descreve a condição de incrédulos e muito menos de todos os pecadores. Somente aqueles que por meio da fé em Jesus foram incorporados a Ele estão em Cristo. Um estudo cuidadoso dessa frase nos escritos de Paulo concluiu, “que ‘em Cristo’ deve ser compreendida mais em termos de um relacionamento de casamento do que de uma posição legal que surge da decisão de uma corte de lei, mesmo da corte de Deus. É uma realidade experiencial referindo-se à união mais íntima possível entre o Cristo ressuscitado e o crente. Porque o crente está unido ao Senhor vivo por meio da habitação de Seu Espírito, ele ou ela é feito uma parte dos acontecimentos salvíficos da morte e ressurreição de Cristo e incluído no corpo de Cristo, a Igreja. Como resultado, o crente recebe pessoalmente todas as bênçãos da salvação que fluem de Cristo e existem na comunhão dos crentes.”4

Segundo, nem todos estavam ao mesmo tempo em Cristo na cruz, como a teoria ensina. Paulo escreveu: “Saúdem Andrônico e Júnias... [que] estavam em Cristo antes de mim” (Rm 16:7). Para estarmos em Cristo, temos de tomar uma decisão pessoal. Na verdade, a frase “em Cristo” é frequentemente usada como um equivalente ao substantivo “Cristão” (1Co 3:1). É evidente que Paulo não sabia nada sobre uma justificação legal universal segundo a qual todo ser humano estava simultaneamente presente em Cristo no momento em que Ele morreu na cruz.

Terceiro, e mais importante, se estivéssemos em Cristo quando Ele morreu por nossos pecados, pagando a penalidade por nossos pecados, então morremos Nele. Ele não morreu por mim! Eu realmente morri na cruz por meus próprios pecados! Eu não fui salvo através de Jesus; salvei a mim mesmo através de Jesus! Desde que eu estava em Jesus, Ele não era meu substituto, meu pecado não foi transferido para Ele. Eu levei meu próprio pecado para a cruz em Jesus! É claro que não é o que querem dizer, mas isso é o que eles estão realmente dizendo. Se eu estava em Adão quando ele pecou e se o seu pecado é de fato o meu pecado em virtude do fato de que eu estava nele, então eu tenho que concluir que desde que eu estava também em Cristo, quando Ele estava me salvando eu me salvei através Dele.

É evidente que um mal-entendido das frases “em Adão/em Cristo” tem criado alguns problemas teológicos muito sérios para a Comissão de Estudo de 1888. Afirmar que nós os interpretamos mal não é suficiente. Parece-me que o problema não é que os tenhamos entendido mal, mas que eles não são claros no seu próprio pensamento sobre o significado dessas duas frases. Eles as infusem com ideias que não são bíblicas e o resultado tem sido confusão. É necessário retornar à compreensão bíblica dessas expressões importantes, a fim de evitar heresias em potencial. Se isso fosse feito o conceito de uma justificação legal universal seria encontrado com falta de sustentação bíblica.

 

Nota: Solidariedade no Velho Testamento

 

É inquestionável que a solidariedade social esteja fortemente presente na Bíblia. Na cultura Ocidental a ênfase é colocada sobre o valor do indivíduo e, consequentemente, ela é uma cultura muito individualista. No Velho Testamento o indivíduo e seu valor são totalmente reconhecidos, mas o papel do grupo na determinação da identidade do indivíduo é enfatizado. Mais uma vez, isto não é necessariamente estranho para a nossa cultura, como indicado pela ênfase colocada hoje no nacionalismo. No entanto, essa solidariedade é mais intensa na Bíblia.

No entanto, a solidariedade bíblica não se baseia na ideia de que a psicologia Hebraica é fundamentalmente diferente da psicologia Ocidental. Estudiosos liberais costumavam argumentar que a mente Hebraica era incapaz de distinguir claramente entre o indivíduo e o grupo. Muitas vezes foi ensinado que a distinção entre o indivíduo e o grupo na mentalidade Hebraica era muito fluído, movendo-se talvez imperceptivelmente do indivíduo para o grupo e do grupo para o indivíduo. O grupo, foi dito, estava presente de alguma forma psicológica ou realista no indivíduo, na medida em que o que o indivíduo havia feito pelo grupo. Esta é uma compreensão extrema da solidariedade Hebraica. É verdade que em certas ocasiões na Bíblia a ação de um indivíduo afetou a totalidade do grupo (e. g., o pecado do sumo sacerdote). Mas a razão não era que o grupo, cada um de seus membros, estava “no” líder. Ele os representava e suas ações tinham um impacto sobre eles.

Uma leitura do Velho Testamento revela que o forte vínculo de solidariedade presente na sociedade Israelita estava baseado em vários fatores importantes que eles, como povo, tinham em comum. Primeiro, eles tinham um Deus em comum, seu Criador e Redentor, que entrou em uma relação de concerto com todos eles. Em segundo lugar, eles tinham uma experiência religiosa e um sistema de adoração em comum. Eles foram resgatados do Egito e agradecidamente reconheciam esse ato do amor divino, estabelecendo – seguindo as instruções de Deus – um sistema em comum de adoração ao seu Deus. Em terceiro lugar, eles tinham um ancestral humano em comum. Sua existência como um conglomerado de tribos e mais tarde como uma nação foi um cumprimento das promessas que Deus fez a Abraão de fazer dele uma grande nação (Gn 12:1-3). Eles eram os descendentes de um pai, o patriarca Abraão. Em quarto lugar, eles tinham um futuro em comum. A eles Deus prometeu a terra de Israel e além disso o papel de uma nação sacerdotal entre as nações da terra. Todas as nações da terra finalmente viriam e adorariam com eles o único Deus verdadeiro. Isto ia acontecer através do trabalho sacerdotal, sacrificial e da obra real do Messias vindouro.

Esses elementos em comum proporcionaram o fundamento social e religioso para o conceito de solidariedade social e religiosa do Velho Testamento. Não precisamos postular uma compreensão estranha da psicologia da mente Hebraica, segundo a qual era, por vezes, incapaz de distinguir entre o indivíduo e o grupo. Qualquer compreensão mística da presença de um grupo, um grupo que ainda não existia, na pessoa de um antepassado, e que participou das ações do antepassado, não está apenas ausente na Bíblia, mas também é uma rejeição da compreensão bíblica da natureza humana e nos traz perigosamente muito perto do dualismo pagão.

___________

[1]. Veja, Bruce K. Waltke e M. O'Connor, An Introduction to Biblical Hebrew (Winona Lake, IN: Eisenbraun, 1990), p. 120: “Um substantivo abstrato frequentemente é expresso por um plural, que originalmente pode ter significado as diversas manifestações de uma qualidade ou estado.”

[2]. Henri Blocher, Original Sin: Illuminating the Riddle (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1997), p. 115.

[3]. Harold W. Attridge, The Epistle to the Hebrews (Philadelphia, PA: Fortress, 1989), p. 197.

[4]. Ivan T. Blazes, A Call to Ministry: Receiving the Stamp of the Cross (Nampa, Idaho: Pacific Press, 1998), p. 67.

2001

 

 

Data: 
2001
Translation: